NOTÍCIAS

Postado em 05 de Junho às 13h06

Sinjusmat repudia suposta negociação entre TJ e a Assembleia Legislativa

SINJUSMAT Qualquer possibilidade, mínima que seja, de vilipendiar a independência do Poder Judiciário de Mato Grosso deve ser rechaçada, assim classifica o presidente do Sinjusmat, Rosenwal Rodrigues, a matéria...

Qualquer possibilidade, mínima que seja, de vilipendiar a independência do Poder Judiciário de Mato Grosso deve ser rechaçada, assim classifica o presidente do Sinjusmat, Rosenwal Rodrigues, a matéria de capa do jornal A Gazeta de hoje (05.06.18).

As informações do diário dão conta de uma suposta articulação a Assembleia Legislativa estaria a barganhar a aprovação dos projetos de leis de iniciativa do Poder Judiciário em proveito da revogação da prisão do Deputado Mauro Savi (DEM/MT), detido na 2ª fase da operação Bererê.

“Nós estamos assistindo ao mais audaz ataque a independência do Poder Judiciário de Mato Grosso, ao se cogitar que o Tribunal de Justiça possa estar negociando a soltura de um acusado de lapidar o patrimônio público por si só é um ato atentatório a própria autonomia garantida na Constituição Federal. Não coadunemos com o impropério da nossa instituição se esmorecer por boatos de envolvimento com políticos presos”, pondera Rosenwal Rodrigues.

O jornal menciona que Desembargadores teriam confirmado a informação sobre a suposta negociação, a despeito da não identificação de quais seriam os membros envolvidos do Tribunal de Justiça. Sobre tal questão, o Presidente do Sinjusmat ressalta: “Não é possível sequer imaginar, um Desembargador acreditar que o Poder Judiciário pode se ajoelhar à uma articulação tal baixa como essa. O que tenho para mim é que os magistrados mato-grossenses honram a dignidade das suas togas e a responsabilidade de seus martelos. E isso é todo dia, assim como acontece com os servidores, a realidade é de muita dedicação e trabalho de todos e todas. Caso apareçam as provas, evidentemente que tomaremos a devida providência, como é de costume a nossa atuação.”

Finalmente, o Sinjusmat avalia que o significado pode ser o resultado da inação do Tribunal de Justiça frente aos ataques da independência até então praticados pelo Poder Executivo. O Presidente concluiu dizendo: “Não vejo de outro modo, o Tribunal de Justiça tem que fazer alguma coisa. Vejam o que acontecerá se nada for feito: uma redução do duodécimo na ordem de R$ 344 milhões para o ano de 2019. É possível planejar algo com tamanha redução? Qual é a gestão que pode falar que funciona a inação? Não há mais certeza de nada no futuro, se não fizermos algo ainda hoje.

Matéria: Equipe Sinjusmat

Foto: Jornal A Gazeta

Veja também

Definido horário de plantão durante recesso22/12/16 O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Paulo da Cunha, determinou a publicação da Portaria nº 661/2016, que estabelece o expediente do Poder Judiciário de Mato Grosso durante o recesso forense (20 de dezembro de 2016 a 6 de janeiro de 2017) das 13h às 18h. O documento está disponibilizado na edição desta quinta-feira (17 de......
Comitê Gestor se empenha em valorizar servidores20/07/17 Redesenhar a estrutura do Poder Judiciário de Mato Grosso é apenas uma das funções do Comitê Gestor de Gestão de Pessoas, criado e implantado neste ano na Justiça Estadual Mato-grossense. O grupo é......
Parecer Jurídico quanto a Lei 10.656 de dezembro 2017.07/03   A retroatividade da Lei n.º 10.656/17 é inconstitucional, conforme precedente do STF. Os servidores do Estado de Mato Grosso foram surpreendidos com a promulgação da Lei n.º 10.656 no dia 28 de dezembro de......

Voltar para Notícias