NOTÍCIAS

Postado em 13 de Março às 16h15

SINJUSMAT REBATE POSIÇÃO DO DEPUTADO JOÃO BATISTA SOBRE O RGA

SINJUSMAT Nesta data (13/março/2019), o SINJUSMAT tomou conhecimento de reportagem publicada no site “rdnews.com.br”, a qual intitulada como: “TJ requer autorização para pagar RGA de 3,48% e João...

Nesta data (13/março/2019), o SINJUSMAT tomou conhecimento de reportagem publicada no site “rdnews.com.br”, a qual intitulada como: “TJ requer autorização para pagar RGA de 3,48% e João Batista se posiciona contra”. Nesta matéria, consta que o referido Deputado defende que servidores do TJ não recebam RGA enquanto estiver suspenso para o Executivo. Diz ainda que o deputado (João Batista do Pros) promete trabalhar para que a matéria não seja aprovada, pois argumenta que o pacote de ajuste fiscal do Governo Mauro Mendes (DEM) suspende a RGA dos servidores do Executivo por até dois anos e defende que o funcionalismo do Judiciário não receba a reposição inflacionária neste período.

Neste sentido, o SINJUSMAT, através de seu Diretor-Presidente, Sr. Rosenwal Rodrigues dos Santos, vem manifestar repúdio ao posicionamento do Deputado Estadual João Batista do Pros nos termos da matéria veiculada, pois demonstra que o Deputado emitiu opinião e declarou seu voto fundado em desconhecimento do contexto que envolve a concessão do RGA pelo Poder Judiciário Estadual.
Vamos esclarecer o contexto:

1º) Princípio da Separação dos Poderes: “A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 2º, consagra o Princípio da Separação de Poderes no Estado brasileiro ao dispor que são Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário”. Neste prisma, o art. 99 da CF/1988 preconiza: “Ao Poder Judiciário é assegurada autonomia administrativa e financeira. § 1º Os tribunais elaborarão suas propostas orçamentárias dentro dos limites estipulados conjuntamente com os demais Poderes na lei de diretrizes orçamentárias”;

2º) Cada Poder do Estado elabora seu orçamento contendo as diretrizes financeiras balizadas pela LRF. Assim, cada Poder, com independência financeira, concede ou não reposição inflacionária aos seus Servidores. O TJMT está concedendo dentro dos parâmetros legais;

3º) As Administrações do Poder Judiciário Estadual (TJMT), nos últimos anos, fizeram o dever de casa, ou seja, lançaram despesas e provisionaram outras sempre baseadas no limite prudencial de gasto com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF);

4º) Há um pensamento geral de que o Servidor do Poder Judiciário Estadual ganha altos salários, isto não é verdade. Do contrário, o Executivo, nos últimos anos, concedeu revisão dos Planos de Cargos e Carreiras de várias categorias.

5º) A Assessoria do TJ, conforme veiculado na referida matéria, informou que a situação financeira do Poder permite a concessão do RGA aos Servidores em razão do limite prudencial de gasto com pessoal estar abaixo do previsto na LRF.

Assim, o SINJUSMAT entende que as premissas que serviram de base para a manifestação do Deputado João Batista são equivocadas, ou seja, não possuem base legal e moral. Nestes termos, o Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso, conclama aos demais nobres Deputados Estaduais que estudem a matéria e proclamem seus votos baseados em premissas reais.

Afinal, o nobre Deputado João Batista desconhece que o RGA dos Servidores do Poder Judiciário é uma conquista destes conjuntamente com o SINJUSMAT, aprovada em dezembro de 2007, que lhes garante, anualmente, o percentual referente as perdas inflacionárias.

Neste sentido, o Presidente do SINJUSMAT, Rosenwal Rodrigues, entende que o nobre Deputado João Batista deveria agir de forma diversa, ou seja, que vá ao Executivo lutar pelo RGA dos Servidores do Poder Executivo. Esta seria a medida moral e legal mais pertinente ao caso.
 

Veja também

SINJUSMAT mantem a luta em busca da regularização dos repasses pelo Governo15/01/18 O SINJUSMAT, na tarde desta segunda-feira 15 de janeiro de 2018, protocolou junto ao Tribunal de Contas do Estado requerimento de instauração de procedimento administrativo de TOMADA DE CONTAS ESPECIAL em face do Poder Executivo Estadual, representado pelo Governador do Estado Sr. José Pedro Taques. O Procedimento de TOMADA DE CONSTAS ESPECIAL tem fundamentação legal no......

Voltar para Notícias