Sinjusmat entra com requerimento para aumento na margem consignável dos servidores ativos e inativos

Em mais uma ação buscando recompor a economia dos servidores do poder judiciário, categoria que também sofre os impactos decorrentes da pandemia do coronavírus, o Sinjusmat protocolou requerimento junto ao desembargador Carlos Alberto da Rocha, presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, solicitando seja aumentada a margem consignável dos servidores públicos estaduais ativos e inativos do Poder Judiciário de Mato Grosso de 30% para 35% do salário líquido para as consignações facultativas em folha do pagamento, e também que seja ampliada de 96 para até 120 meses, o prazo máximo para pagamento.

A crise decorrente da pandemia atingiu as economias nacionais e das famílias. As medidas restritivas à circulação de pessoas e o aumento das despesas decorrentes das medidas de distanciamento social e isolamento social ampliaram o endividamento dos servidores públicos, em decorrência de empréstimos consignados contraídos junto a instituições financeiras.

O Conselho Monetário Nacional aprovou medidas para que os bancos prorrogassem em 60 dias os pagamentos de dívidas. E o Banco Central do Brasil editou as resoluções buscando facilitar a renegociação de operações de créditos de empresas e famílias, que estivessem com seus contratos em dia, dispensando os bancos de aumentar o provisionamento no caso de repactuação de operações de crédito a serem realizadas no prazo de 6 (seis) meses. Também expandiu a capacidade de utilização de capital dos bancos, permitindo a renegociação de dívidas e a manutenção da concessão de crédito com a perspectiva de ampliação dos prazos de financiamento às empresas e famílias.

A diretoria do Sinjusmat avalia que estão postas todas as condições para que seja aprovado mais esse pleito dos servidores do poder judiciário mato-grossense.

LEIA A ÍNTEGRA DO REQUERIMENTO NO ANEXO ABAIXO: